O cisto do colédoco é um inchaço congênito raro do ducto hepático ou biliar no fígado da criança.

  • Essa é a via que transporta a bile produzidas pelas células para a vesícula biliar e para o duodeno (a primeira parte do intestino delgado).
  • Esses cistos podem ser intra-hepáticos, ou seja, ocorrem na parte do ducto que se situa no interior do fígado.
  • Podem ainda ser extra-hepáticos, ou seja, na parte do ducto localizada fora do fígado.

Qual é a função do fígado?

O fígado está localizado na porção superior direita da cavidade abdominal, abaixo do diafragma e na parte superior do estômago, do rim direito e dos intestinos.

O fígado consiste em dois lobos principais, ambos constituídos por milhares de lóbulos. Esses lóbulos são ligados a pequenos ductos que se conectam com ductos maiores para formar, finalmente, o ducto hepático. O ducto hepático transporta a bile produzida pelas células do fígado para a vesícula biliar e o duodeno, a qual ajuda a degradar as gorduras, preparando-os para a digestão e absorção.

Todo o sangue que sai do estômago e dos intestinos, passa através do fígado. O fígado processa o sangue e “quebra” nutrientes e medicamentos no sangue para formas que são mais fáceis de o organismo utilizar.

Quais são as variedades mais comuns desses cistos?

Existem cinco tipos básicos e são classificados de acordo com o local em que ocorrem.

  • Tipo 1 — Dilatação cística do ducto biliar extra-hepático. É o tipo mais comum, constituindo cerca da metade do total de cistos do colédoco.
  • Tipo 2 — Bolsa ou saco anormal que se abre no ducto.
  • Tipo 3 — Cisto localizado no interior da parede duodenal.
  • Tipo 4 — Inchaço dos tratos biliares intra e extra-hepáticos.
  • Tipo 5 — Cistos intra-hepáticos múltiplos. Esse tipo de aglomeração de cistos também é conhecido como doença de Caroli e é o tipo menos comum.

Quão comuns são os cistos do colédoco?

  • Os cistos do colédoco ocorrem entre 1 e 100.000 e 1 em 150.000 pessoas nos países ocidentais, mas é mais comum no Japão.
  • São de três a oito vezes mais comuns em mulheres do que em homens.

O que causa os cistos do colédoco?

  • A causa desses cistos é desconhecida, mas os pesquisados acreditam que sua formação se deva a uma conexão anormal entre os ductos pancreático e hepático.
  • Essa conexão anormal leva ao refluxo do suco pancreático para o trato biliar, o que pode ser responsável pela formação do cisto.

Quais são os sintomas dos cistos do colédoco?

Os sintomas a seguir em geral ocorrem em crianças mais velhas, cujo diagnóstico precoce da anomalia congênita passou despercebido.

  • dor abdominal no quadrante superior direito
  • icterícia
  • massa abdominal
  • náusea
  • febre
  • pancreatite

Tratamento e cuidados

Qual é o tratamento dos cistos do colédoco?

Se o médico suspeitar da presença de um cisto na criança, um cirurgião pediátrico deve realizar cirurgia pediátrica exploratória para fazer a verificação.

Se houver algum cisto no sistema de ductos da criança, o cirurgião pediátrico pode removê-lo. Isto pode envolver a remoção de um lobo do fígado quando o cisto é intra-hepático, ou de uma parte do ducto extra-hepático, seguido pela reconstrução desse ducto, utilizando um pedaço de intestino.

Sem cirurgia pediátrica, existe um risco contínuo de outros problemas:

  • infecção dos ductos
  • obstrução biliar
  • icterícia
  • cirrose

Outra preocupação de longo prazo é a degeneração maligna. Os cistos do colédoco são de natureza inflamatória, o que os põe em risco de se tornarem cancerosos se não forem tratados.

O cirurgião pediátrico pode decidir apenas remover o revestimento do cisto para proteger as estruturas subjacentes. Uma vez que o cisto ou cistos são removidos cirurgicamente, o ducto biliar da criança precisa ser reconstruído.

Isso pode envolver a criação cirúrgica de uma passagem que une o ducto biliar comum e o intestino delgado, através de um pedaço de intestino delgado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.